top of page
Buscar

Menos é mais: Tendências para marcas nos próximos anos 2023 e 2024

Para os próximos anos, a tendência é não superestimular as pessoas, por isso menos é mais.


Após um período muito duro de pandemia, um misto de sentimentos, desejos, dificuldades e buscas permeia as pessoas - sobrecarga e cansaço constante pelo excesso de estímulos e pela situação caótica social e ambiental, surge um olhar mais realista e menos apoiado na positividade tóxica, com um toque de fascinação com o mundo novamente.


Como isso afeta os negócios, os conteúdos e os seus planos?


Fiz um tour de estudo por várias pesquisas de tendências projetadas para 2023 e 2024 (sim, porque criativas organizadas visam o longo prazo!) e resolvi compilar os pontos que eu considero mais importantes e relevantes para você aqui.


Aproveite os caminhos que esse texto apresenta e aplique o que achar interessante na sua marca.


A característica mais marcante da pesquisa de tendências realizada pela empresa WGSN para 2024 é a divisão entre grupos sociais e perfis de consumidores, com características específicas nesse momento da atualidade.


Entretanto, todos eles têm um ponto em comum:


"O que une todos esses grupos é uma necessidade comum de realinhamento - consigo mesmos, com suas vidas e com o planeta." diz a Carla Buzasi, Presidente e CEO da WGSN.

sob um céu azul com poucas nuvens voando, uma mulher e um homem, ambos negros, se abraçam, ela sentindo o vento, e ele segurando uma rosa vermelha e olhando para frente
Estamos percebendo o que realmente importa?

Por isso, o que está guiando as tendências para os próximos anos e que deve nortear as decisões que tomamos nas nossas marcas é:

  • focar em menos excesso;

  • menos gasto de energia onde não traz retorno;

  • mais avaliação de onde estar presente digitalmente;

  • mais reflexão sobre o que postar, visão mais estratégica;

  • mais conexão, intenção e assertividade nos conteúdos;

  • mais equilíbrio dos estímulos sensoriais.


Tendências para o online em 2023 e 2024


1. Qualidade acima de quantidade

"A qualidade terá precedência sobre a quantidade. O público em geral espera conteúdo relevante que agregue valor. (...) Portanto, será necessário gastar mais tempo na reflexão do que na execução da sua estratégia de conteúdo" Tremplin Numerique - agência de Marketing da França

O conteúdo excessivo e massificado não é mais a grande aposta, mas sim um conteúdo estratégico, que leva mais tempo no planejamento do que na execução.


Vimos recentemente o "boom" do ChatGPT, ferramenta de Inteligência Artificial que escreve textos coerentes com base de dados de informações espalhadas pela internet.


Essa expansão das inteligências artificiais nas ferramentas do dia-a-dia, com certeza, será um fator de adaptação importante. Ou você se adapta e aprende a utilizar, ou você vai perder tempo (e dinheiro).


Mas o crescimento dessa ferramenta também demonstra que textos genéricos não resolvem seu problema de conteúdo. Quanto mais personalizado, autêntico e específico, melhor. É aí que entra todo esse olhar estratégico e sensível que só um ser humano pode fazer.


Por isso, se você ainda não entende muito sobre criação de conteúdo, vale a pena olhar para isso agora, pois o conteúdo continua sendo um grande ponto de contato e conexão com o seu melhor tipo de cliente.




2. Escolha de canais: menos é mais


Assim como a escolha dos formatos, a escolha dos canais de conteúdo e presença digital da sua marca também seguirá a premissa: menos é mais.


Não fique pulando de galho em galho, escolha os canais certos para você e se aprofunde neles.


Aposte nos canais que fazem realmente sentido para o seu público, mantenha uma qualidade consistente em todos, tenha um planejamento de conteúdo e busque aprimorar a fluidez da jornada do seu cliente por esses canais até a compra e fidelização.


Você vai escolher um canal que faz muito sentido para o público, mas ainda não tem experiência no formato de conteúdo que ele pede? Exemplo: TikTok e os vídeos curtos.


Esteja atenta à curva de aprendizagem, leva um tempo mesmo para se adaptar, mas é testando formatos e estando presente na plataforma de modo ativo, observando o que as pessoas fazem, que você vai evoluir seu conteúdo.


Se você sente ainda grande dificuldade em entender quais são os melhores canais para estar, que tipo de conteúdo você deve estar criando, não deixe de pedir orientação para um especialista, para que esse deixe de ser um grande problema e se torne uma forma de expressão e conexão com o seu público. Tenho um serviço focado nisso que é o Diagnóstico, onde faço uma análise da sua marca e te aponto caminhos realistas e possíveis para a criação, posicionamento e conexão com os clientes ideais para você. Clica aqui para conhecer o serviço e falar comigo.



3. O retorno dos conteúdos escritos


Será o retorno dos textos? É um caminho bem provável.


Com a ascensão dos vídeos curtos (isso não vai mudar), uma grande parte das pessoas sente falta dos textos escritos ou dos vídeos longos (os queridos vlogs) e está sentindo a sobrecarga dos conteúdos virais e superficiais.


Isso é uma questão de desvio de atenção generalizada, as pessoas realmente estão com dificuldade de focar em um conteúdo mais denso, porém começando a perceber que se não houver esforço para isso, haverá um prejuízo mais profundo na capacidade de atenção, compreensão e aprofundamento dos temas.


Ou seja, existe uma certa demanda por textos novamente, mas o texto precisa fazer sentido para o público. Precisa ser um texto envolvente, dinâmico e com temáticas interessantes. Coloque personalidade, borogodó e retire os excessos!


Busque aprimorar a escrita, para ganhar qualidade e produzir textos envolventes para a sua marca. Você pode usar o ChatGPT ao seu favor, mas não deixe de adaptar esse texto à linguagem da sua marca para não parecer um robô.


Alguns formatos interessantes para a retomada dos textos são blogs e newsletters.


Dentro dessa criação, fazer uma boa curadoria de conteúdos também pode ser uma alternativa para conseguir criar sem tanto peso de fazer tudo do zero. Tudo se constrói na pesquisa, na combinação de diversos conhecimentos. Além disso, a curadoria de conteúdo facilita a vida do seu cliente que também está se sentindo sobrecarregado com o excesso de informação.



Blogs ou newsletters para textos longos e redes sociais para relacionamento


Conteúdos mais longos e densos geram seguidores mais qualificados com uma relação mais duradoura com a marca, ou seja, clientes ou futuros clientes mais preparados e alinhados com o que você faz.


Afinal, conteúdos em blogs são a quinta fonte mais segura de pesquisa na internet, segundo o relatório estatístico do Optinmonster.


Outra opção dentro dos blogs é o guest post, conteúdo escrito por convidados para aprofundar conhecimentos no blog e também chegar em novas audiências. Isso pode ser levado até mesmo para as redes sociais, com conteúdos colaborativos, feitos com as suas parcerias.



4. Vídeos em diferentes formatos


Vídeo continua sendo um formato queridinho e preferido da web, eles ajudam no alcance da marca na internet, sem falar na diversificação dos formatos. O vídeo traz a graça, a simpatia e o molejo que uma comunicação também precisa.


Um ponto importante é o minimalismo e autenticidade, então focar sempre nas suas maiores habilidades e assuntos assertivos e conectados com a sua persona. Você não precisa abraçar todas as trends, se concentre nos conteúdos que você vai conseguir fazer de boa.


Experimente formatos diferentes: você pode variar os formatos entre listas (checklists), histórias, conteúdos explicativos, tutoriais, etc.



5. Marcas fazendo entretenimento no Instagram e TikTok


As pessoas vão para essas redes se deslocar da realidade, ter ideias, se conectar com outras pessoas, se distrair, ver contatinhos, memes, etc. Como diz a Camila Renaux, especialista em Instagram.


Isso quer dizer que um conteúdo mais técnico ou educacional realmente não terá o mesmo alcance que um vídeo de piada.


Foque em equilibrar conteúdos que ensinam com conteúdos de interação. E lembre sempre dos 3 tipos de conteúdo: educação, inspiração e questionamento.


Não conhece ainda? Tenho um método que ensina sobre criação de conteúdo passo a passo e como criar todos esses tipos com o seu próprio jeitinho, é o Conteúdo Intencional - clique aqui para conhecer.


6. Imagens e vídeos otimizados


"As pessoas buscam por cada vez mais vídeos e imagens, aumentando o CTR, ou taxa de cliques de usuários" diz a Agência Maya.


É interessante trabalhar mais no design gráfico e na qualidade dos vídeos e imagens que você cria para a sua marca, em todos os canais onde ela existe na internet hoje.


O apelo estético é uma realidade. Imagens mais interessantes geram mais cliques, o que significa que mais pessoas chegam até você e o seu trabalho.


Isso quer dizer que se você quiser levar adiante o seu trabalho e elevar a qualidade do seu conteúdo, vai precisar de uma câmera, de um celular bom e de um designer pra chamar de seu.


7. Ritmo menos frenético de criação de conteúdo


Slow content e conteúdos duradouros são uma tendência para aqueles grupos que valorizam o atemporal e sentem saudade dos livros. 🤭


Geral está cansado desse excesso de posts e conteúdos vazios, é melhor ser percebido como alguém que se importa em criar coisas com sentido e caminhos mais saudáveis.


Acredite, as pessoas estão dispostas a pagar mais e valorizam o trabalho de quem valoriza o próprio tempo e conhecimento também.



Tendências para o offline - existe vida fora da internet!


1. Retorno dos eventos presenciais e híbridos


"As melhores conferências combinarão experiências remotas e do mundo real" segundo a empresa RD Station.


O que veremos cada vez mais são eventos que misturam o on e off, gerando uma experiência completa para quem está presencialmente e um gostinho envolvente para quem não pode estar - tudo conectado.


As feiras vem com tudo! Para marcas artesanais e manuais, sugiro uma participação ativa e dinâmica em feiras, eventos e iniciativas locais. Não ser apenas um participante, mas um criador de experiências no local, nem que seja apenas na sua banca.


Ideias? Temos! Use uma fragância especial, ofereça um teste, faça uma roda de conversa aberta sobre algum tema, e não esqueça de registrar e publicar no seu perfil. Dá mais trabalho, mas é uma ação de awareness (alcance e percepção da marca) que pode alavancar o que você faz.


Os espaços físicos de venda não precisam ser apenas mais um ponto de venda, mas sim uma extensão da experiência que as lojas virtuais não podem oferecer, vale a pena pensar com carinho na experiência gerada no offline.



2. Turismo introspectivo


A escolha por fazer uma temporada de turismo mais retirada em lugares rurais, cercados de natureza e silêncio, estão em alta, assim como buscar pontos turísticos em épocas diferentes da alta temporada.


Em geral, as pessoas estão em busca de "momentos de fuga" e bem-estar, de todas as formas possíveis. Uma viagem que valoriza a boa comida, o bom sono e o descanso merecido de todos os problemas do mundo, sempre cai bem...


Quer ir além para captar os detalhes dessas tendências?

Fiz uma aula completa sobre o tema, assista aqui:






18 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page